Quem são os uigures e por que os EUA acusam a China de genocídio?

A China está enfrentando críticas crescentes de todo o mundo sobre o tratamento que dispensa à população uigur, de maioria muçulmana, na região noroeste de Xinjiang.

Grupos de direitos humanos acreditam que a China deteve mais de um milhão de uigures nos últimos anos, no que o estado define como “campos de reeducação.

Há evidências de uigures sendo usados ​​como trabalho forçado e de mulheres sendo esterilizadas à força.

Os EUA acusaram a China de cometer genocídio e crimes contra a humanidade por meio da repressão aos uigures

Quem são os uigures?

Há cerca de 12 milhões de uigures, a maioria muçulmanos, vivendo no noroeste da China, na região de Xinjiang, oficialmente conhecida como Região Autônoma Uigur de Xinjiang (XUAR).

Os uigures falam sua própria língua, semelhante ao turco, e se consideram cultural e etnicamente próximos das nações da Ásia Central.

Eles representam menos da metade da população de Xinjiang.

Nas últimas décadas, houve uma migração em massa de chineses han (a maioria étnica da China) para Xinjiang, e os uigures sentem que sua cultura e seu sustento estão ameaçados.

Onde está Xinjiang?

Xinjiang fica no noroeste da China e é a maior região do país.

Como o Tibete, é autônomo, o que significa – em teoria – tem alguns poderes de autogoverno. Mas, na prática, ambos enfrentam grandes restrições por parte do governo central.

É uma região predominantemente desértica, produzindo cerca de um quinto do algodão do mundo.

Também é rica em petróleo e gás natural e, devido à sua proximidade com a Ásia Central e a Europa, é vista por Pequim como um importante elo comercial.

No início do século 20, os uigures declararam a independência por um breve período, mas a região foi colocada sob o controle total do novo governo comunista da China continental em 1949.

Quais são as acusações contra a China?

Os EUA acusaram a China de cometer genocídio contra os uigures. De acordo com a convenção internacional, genocídio é a “intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso”.

Segue-se relatos de que, além de internar os uigures em campos, a China tem esterilizado em massa mulheres uigures à força para suprimir a população e separar as crianças uigures de suas famílias.

Em seu último dia de mandato sob o governo Trump, o secretário de estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, disse: “Acredito que esse genocídio esteja em andamento e que estamos testemunhando a tentativa sistemática de destruir os uigures pelo partido-estado chinês”.

Um comitê de direitos humanos da ONU em 2018 disse ter relatos confiáveis ​​de que os chineses estavam mantendo até um milhão de pessoas em “centros contra o extremismo” em Xinjiang.

Australian Strategic Policy Institute encontrou evidências em 2020 de mais de 380 desses “campos de reeducação” em Xinjiang, um aumento de 40% em relação às estimativas anteriores.

Anteriormente, documentos vazados conhecidos como Cabos da China deixaram claro que os campos deveriam ser administrados como prisões de alta segurança, com disciplina e punições rígidas.

Pessoas que conseguiram escapar dos campos relataram tortura física, mental e sexual – mulheres falaram de estupro em massa e abuso sexual.

Em dezembro de 2020, uma pesquisa vista pela BBC mostrou que meio milhão de pessoas estavam sendo forçadas a colher algodão. Há evidências de que novas fábricas foram construídas dentro dos campos de reeducação.

Qual foi a preparação para a repressão?

O sentimento separatista e anti-Han aumentou em Xinjiang a partir da década de 1990, tornando-se violento ocasionalmente. Em 2009, cerca de 200 pessoas morreram em confrontos em Xinjiang, que os chineses atribuíram aos uigures que querem seu próprio estado. Mas, nos últimos anos, uma massiva repressão à segurança esmagou a dissidência.

Xinjiang agora é coberto por uma ampla rede de vigilância, incluindo polícia, postos de controle e câmeras que fazem a varredura de tudo, desde placas até rostos individuais. De acordo com a Human Rights Watch, a polícia também está usando um aplicativo móvel para monitorar o comportamento das pessoas, como quanta eletricidade estão usando e com que frequência usam a porta da frente.

Desde 2017, quando o presidente Xi Jinping emitiu uma ordem dizendo que todas as religiões na China deveriam ter orientação chinesa, tem havido mais repressões. Ativistas dizem que a China está tentando erradicar a cultura uigur.

O que a China diz?

A China disse que as notícias de que deteve uigures são completamente falsas.

Ele afirma que a repressão é necessária para prevenir o terrorismo e erradicar o extremismo islâmico e os campos são uma ferramenta eficaz para reeducar os presos em sua luta contra o terrorismo.

Ele insiste que os militantes uigures estão travando uma campanha violenta por um estado independente, planejando bombardeios, sabotagem e agitação cívica, mas é acusado de exagerar a ameaça para justificar a repressão aos uigures.

A China rejeitou alegações de que está tentando reduzir a população uigur por meio de esterilizações em massa como “infundadas”, e diz que as alegações de trabalho forçado são “completamente fabricadas”.

Com informações, Yahoo.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s